http://leigos.boanova.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/375695banner1.jpglink
http://leigos.boanova.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/579349banner2.jpglink
http://leigos.boanova.pt/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/644325banner3.jpglink
Congresso dos Leigos Boa Nova: "Queres Mudar o Mundo? Então, vem!"

No presente ano de 2015, designado pela União Europeia como Ano Europeu para o Desenvolvimento e no âmbito dos 20 anos de atividade missionária dos Leigos Boa Nova, realizou-se o congresso denominado “Queres mudar o mundo? Então vem!” no auditório da Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira, no passado dia 30 de maio. Neste artigo, disponibilizamos os VÍDEOS das intervenções.

 

Neste congresso, abordaram-se quatro dimensões fundamentais na transformação do mundo: economia social, religião, política e música. A dimensão musical não foi objeto de debate, mas de alegria para todos os presentes, como corolário de um dia intenso de reflexão. Subiram ao palco João Afonso e Rogério Pires, presenteando a plateia com as canções do mais recente álbum de João Afonso, intitulado “Sangue Bom”, com letras dos escritores Mia Couto e José Eduardo Agualusa.

Rogério Pires, Sérgio Cabral e João Afonso

 

A questão apresentada, de forma ampla e transversal, a todos os intervenientes foi a seguinte: o que fazer o como fazer para tornar o mundo melhor? Nos vários campos de reflexão, o testemunho e a visão dos nossos convidados foram muito marcantes e enriquecedores para os presentes, assim como a partilha de ideias que se gerou entre todos num ambiente muito familiar.

Na abertura do congresso, as palavras de D. António Francisco, bispo do Porto, foram de estima e de reconhecimento, não só pelo trabalho dos leigos, mas também pelo trabalho de toda a família Boa Nova. De seguida, o P. Jerónimo fez um percurso pela história dos LBN desde a sua fundação até à atualidade, relevando o papel que os leigos têm na descoberta de vários caminhos de missão no mundo concreto do dia-a-dia, sendo exemplos de uma igreja em saída.

 

Mudar o Mundo pela Economia Social

Na abertura do painel relativo à Economia Social, introduzido por Sérgio Cabral, juntou-se a todos os presentes, via skype, as leigas missionárias Diana Salgado e Sofia Silva, que se encontram na cidade do Chibuto (Moçambique) numa missão de longa duração. Para além do testemunho pessoal de cada uma, sobre o trabalho que têm desenvolvido ao longo de mais de uma década como leigas boa nova, concluíram lembrando as palavras do P. Manuel Neves, missionário da Boa Nova recentemente falecido: “Ser missionário, deixar sua família e cultura, não é sacrifício, mortificação, renúncia… É livre preferência, alegre investimento, imensa alegria e enriquecimento”.

 

Ainda no âmbito do mesmo painel, Pedro Krupenski, presidente da Plataforma Portuguesa das ONGD, começou por definir “economia social”, como economia de partilha. Para ele, a centralidade das pessoas é fundamental na vida das ONGD: o rosto concreto das pessoas deve estar no centro da cooperação para desenvolvimento e não o dinheiro; por isso, toda a ajuda deve ser pensada e realizada a partir das pessoas, com as pessoas e para as pessoas. Outra ideia a destacar na sua intervenção, refere-se à importância do equilíbrio entre as dimensões económica, social e ambiental num processo de construção de um verdadeiro desenvolvimento humano. E como fator integrante destas dimensões, apresentou a dimensão espiritual.

Diana e Sofia via skype do Chibuto (Moçambique)

Da esquerda para a direita: Sérgio Cabral e Pedro Krupensi, Presidente da Plataforma Portuguesa das ONGD

 

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

 

Mudar o Mundo pela Religião

O painel sobre a religião contou com a presença do Dr. Jaime Soares (Mahmoud), professor de filosofia e membro da comunidade Islâmica do Porto, do P. Augusto Farias, missionário da Boa Nova, e do P. Jerónimo Nunes no papel de moderador. O Dr. Jaime Soares começou por dizer que o próprio congresso constituía, em si mesmo, uma forma de mudar o mundo e prosseguiu com algumas ideias importantes que, de seguida, transcrevo:

- Quanto mais caminharmos ao lado de Deus, melhor será o caminho da vida.

- O muçulmano é chamado a ser submisso a Deus e a praticar a verdadeira Jihad, que deve ser entendida como “uma luta interior que significa abandonar os maus hábitos pessoais e sociais, resistir aos maus desejos, partilhar com os pobres de forma efetiva, ter paciência, perdoar, ser justo, bondoso e ter compaixão pelos outros. E essa luta não se deve esvaziar nos seus conceitos. Fazem parte da vida de um muçulmano.”

- “Mudar o mundo não é mergulhar num monolitismo de pensamento, segundo o Islão. Não é coagir nem impor ideias, nem usar de brutal violência para aniquilar ou dizimar comunidades inteiras. Elas são anti-islâmicas. A palavra Islão, no seu sentido mais profundo, significa paz”.

 

O P. Augusto Farias começou por responder à questão central deste congresso com um ensinamento de Baden Powell, fundador do escutismo. Referindo-se aos seus escutas, Baden Powell dizia-lhes que cada um deveria deixar o mundo melhor do que o encontrou e que para tal seria necessário que cada um tivesse uma religião. Para ele, o ser humano pouco pode fazer se não acreditar em Deus e obedecer às suas leis. A religião é, então, fonte de bem para toda a sociedade. Elas estão ao serviço do ser humano e da sua felicidade. O problema surge quando existe uma instrumentalização da religião para benefício pessoal ou ideológico, dando lugar aos radicalismos e aos fundamentalismos.

Da esquerda para a Direita: Dr. Jaime Soares, P. Jerónimo Nunes e P. Augusto Farias

 

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

 

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.


Mudar o Mundo pela Política

O painel sobre a política juntou duas gerações distintas: por um lado a Dra. Teresa Ferreira, técnica da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira e a Rafaela Silva, 2.ª vereadora do projeto Jovem Autarca; e por outro lado, o Professor Marcelo Rebelo de Sousa, atual comentador político de uma estação televisiva e com um vasto currículo na vida política portuguesa. A moderação esteve a cargo de Rui Luzes Cabral, presidente da Junta de Freguesia de Loureiro. A Rafaela, de apenas 14 anos, salientou que este desafio mudou a sua perspetiva acerca da política. Agora entende que nada se conquista do dia para a noite e que numa “política nobre”, antes do veredicto final, muito se altera e raramente o último plano é tal e qual o primeiro. Segunda ela, a democracia deve começar por cada um de nós e o simples gesto de votar é o primeiro passo para a mudança. Tomando as palavras de Martin Luther King, disse que “mesmo se o mundo acabasse amanhã, eu ainda plantaria a minha macieira”. E concluiu: “sou jovem, mulher e política. Agora pensem!”

Da esquerda para a direita: Dra. Teresa Ferreira, Rafaela Silva, Rui Luzes Cabral e Prof. Marcelo Rebelo de Sousa

 

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.


O Professor Marcelo Rebelo de Sousa, na sua intervenção, definiu-se como católico, ficando bem patente que essa realidade não é lateral na sua vida. Na sua perspetiva, se os cidadãos têm a missão de mudar o mundo, então os cristãos têm a “missão reforçada” de mudar o mundo. Os cristãos não agem em nome pessoal, mas em nome de Deus, de uma Igreja, de uma comunidade e isso constitui uma grande responsabilidade. A eternidade é para começar a construir-se nesta terra. Por isso, cada passo que damos no serviço dos outros, é um passo de construção de eternidade. Em sentido inverso, a passividade ou a omissão constitui uma violação à nossa missão.

 

Numa abordagem ao que se deve entender por política, referiu que a política é tudo o que nós fazemos, desde que nascemos até que morremos. Ela começa nas pequenas grandes decisões da nossa vida. Por isso, estamos permanentemente a fazer política. A “política dos outros”, que se vê na televisão, ou seja, dos governantes, dos autarcas ou dos juízes é, apenas, uma pequena parte da política.

 

Para o Professor Marcelo Rebelo de Sousa, mudar o mundo pela política é sobretudo operar essa mudança em instituições nacionais. Isto não significa que não defenda o empenhamento na vida partidária, mas acha estranho que se comece por aí. O risco da descolagem da realidade é enorme, salvo na política ao nível local.

 

Referindo-se à participação dos jovens na vida política, o Professor está seguro de que eles nunca fizeram tanta política em Portugal como hoje, dando como exemplo o empenhamento de muitos jovens em movimentos juvenis, em IPSS’s, em Misericórdias, em órgãos de informação local e em associações culturais e desportivas. No que se refere à política, entendida num sentido mais restrito, Marcelo Rebelo de Sousa considera que os jovens estão distantes do discurso e da prática de alguns políticos, mas não da política.

 

Quanto à participação dos cristãos na vida política, reconhece que é necessário uma presença cristã mais ativa e marcante nas escolas, no mundo da cultura e na comunicação social. Para ele, faz falta uma esquerda cristã, com voz profética, na sociedade portuguesa, e isso constatou-se no referendo sobre o aborto.

 

Por fim, salientou a importância das mulheres na vida política, entendida num sentido mais restrito do termo, porque, de entre várias razões e de um modo geral, têm mais noção do concreto e, segundo algumas estatísticas realizadas em países nórdicos da europa, são mais honestas no exercício do poder.

 

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

 

Sérgio Cabral

 
 

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.

 
 
 
 
Share